quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Keep It On Two

Transito Selvagem.

Atrás do volante até aquela pacata mãe de família se transforma numa Serial Killer com sangue nos olhos e faca nos dentes.

Onibus, Vans, blindados, Pageros, Pickups, minivans. Palios e Celtinhas.
Nessa cadeia alimentar, motocicleta é herbívoro.

No Rio de Janeiro, ar a 43 graus, asfalto a 60, a gente vira um pão de queijo, inchando e assando lentamente.
Em São Paulo, vira anfíbio, com água pelo guidom.

Aves de rapina à espreita em cada cruzamento: ele vai sacar os limões pro malabarismo ou a 765 pro assalto?
Para garantir-lhes o sucesso, pardais fotografam sua placa se tentar fugir.
Se correr o radar pega, se ficar o ladrão come.

Com respaldo de um rascunho de cultura, vidro moído, e agora a tal chilena com óxido de alumínio, flutuam sobre as ruas buscando uma jugular distraída. Se degolar motociclista fosse esporte olímpico, um ouro já teríamos garantido em 16.

IPVA, seguro obrigatório, pedágio. O café do puliça, a cerveja do despachante. O adesivo reflexivo do capacete. O puto do celular fechando o corredor. A perua piscando farol no Paris-Dakar da Linha vermelha...

Inevitável se perguntar porque, mesmo assim, insistimos em andar de moto. Porque se colocar nessa situação? Porque correr esse risco?

Meu martelo "Pacificador" contra o AR15 do pivete?
Meus 1200cc contra a Van da Milícia?
Meus "direitos" contra A SELVA???

Então?

Porque?




Aí um dia voce sai antes das 5, pega o sol nascendo já com quase 100km no odômetro.
As curvas encaixando, fluidas e suaves.
Só deixando o rastro do barulho pela estrada.
Cheiro de planta quando cruza a fronteira da cidade, flash do sol no guidom, uma musica tocando na cabeça.
Os cilindros galopando macio, o motor redondinho entre as pernas.


E, 50km depois do primeiro reabastecimento, você lembra porque.


Se na cidade um escape aberto, um colete ou uma Glock ajudam a administrar a situação, na estrada a Máquina é soberana. E sua tarefa, como bom súdito, é "Let the Eagle fly", tanto quanto sua habilidade permitir.

BR-40 a 120 cantarolando Tim Maia (ou qualquer variante similar) é Satori, e é por isso que vale a pena sobreviver ao resto.

Mas pra lembrar disso, só indo até lá.



Março é logo depois da próxima curva, abril fica atrás daquela colina ali. Logo começa a temporada dos Encontros, o clima alivia, a estrada convida.



Que a temporada de 2010 seja inesquecível.

Que possamos viajar sempre.

Que passemos dos 1000 litros,
dos 90 tanques,
das 100 cervejas,
das 10 garrafas,
das 5 mulheres.

Que cada motociclista acene pro outro quando se cruzarem.

Que o preconceito não atrapalhe os eventos de serem frequentados, por todos.

Que moto nenhuma fique parada na beira da estrada sem outra parar pra ajudar.



Que ninguém se machuque.



E que quem ler isso e gostar, me ofereça uma cerveja quando me ver chegando.


Keep it on two.

L.

15 comentários:

Vinicius Ctba/PR disse...

Otimo texto! é da sua autoria?

"Só quem é , sabe..."

sakai disse...

Amém.

Carlos Ábila disse...

É por textos como este que passei a frequentar este blog TODOS os dias. Abraço irmão!!! e com certeza lhe pagarei uma cerveja!! em breve...

batata disse...

Amen

Hadys disse...

Lord, exelentes palavras, gostaria de reproduzir o texto no meu blog, quem sabe assim contribuo para aumentar a bebedeira.
Abçs
Hadys

PS: Amém!

Antonio disse...

Belas palavras Lord...

Como toda "oração",o que se pode dizer no final?

AMÉM...

Marcelo disse...

muito bom lord

e quando o encontrar te pagarei a tal cerveja


Amém

Clayton disse...

Amém Lord,
Sua cerveja, por mim , já estará garantida.

francisco olivardenio disse...

Texto inteligente e fidedigno, só mesmo Deus e a solidariedade dos irmãos fazem valer a pena insistir nesta paixão sem fim. Me orgulho muito de ser motociclista!!!

Dan disse...

Muito bom. Peço permissão pra postar no biker to the bone. Claro, com referência e link à fonte.

Lord Of Motors disse...

Tudo por mais cerveja! Permissões concedidas!!
Gone.

Mr, Jr disse...

Sir my Lord,

Perfeito. Tudo que todos que amam duas rodas desejam.
Amém.

Murilo disse...

ae irmão te devo uma cerva então

Anônimo disse...

Cara estava de férias e sem internet, senão dou uma passada aqui todo dia, hoje olhando o blog achei este texto. Velho tu é um poeta cara muito bom mesmo. Se um dia vieres pro sul não vou te pagar uma cerveja, te pago uma caixa mano.
VALEU
Dante Ijuí/RS

Renan Becker disse...

Estou de devendo uma cerveja!
Quando passar por Joinville/SC eu te pago!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...