segunda-feira, 12 de julho de 2010

Thrill is gone by Jason Vieira




Dia desses nosso amigo Jason teve um insite nostálgico, ou uma Koan (como se diz no budismo), e resolveu compartilhar conosco, colocando a parada em palavras as quais passo a reproduzir.


"Neste último fim de semana, tive a sensação de perder um pouquinho da inocência e do passado, aquela sensação de que muita coisa boa ficou pra trás. Pode ser nostalgia, coisa de velho, mas bateu forte demais!

É estranho! Isso aconteceu ao encontrar meu bom e velho amigo de mais de 10 anos Cavalca, com sua FXR 95 “nova e tinindo”. O Cavalca teve sua Heritage roubada recentemente e comprou essa jóia pra substituir.

Com a confiança que a gente só deposita num brother, o Cavalca me jogou a chave e disse “Vai dar uma volta nessa belezura!!”

Pois é, aí a coisa pegou. Neste momento senti como se tivesse perdido algo, que um passado nostálgico ficou pra trás e que o futuro não será lá aquelas coisas. Ao ligar aquela moto, preta e dourada, com aquela águia no tanque que tanto caracterizou (e muitas vezes causou horror) os anos 80 e 90, aquele som carburado cadenciado, o cheiro da gasolina, a vibração....

Puta merda, a cabeça estourou de memórias, daquelas do tempo em que eu andava de Shovelhead, Panhead, da minha primeira HD, uma Knucklehead que male male saia da garagem, dos meus dias caçando peça entre os mecânicos conhecidos como Dentinho, Joaquim, Mizinho, Dadinho, Caverna, Nenê e etc, os caras de quando a old school era new school. Veio na cabeça as viagens de Shovel e Pan com a balaiada pra Penedo, rua Ceará, Rio das Ostras, Divinópolis e etc.

Lembrei do penúltimo e último Tiradentes que fui, em 99 e 2000 e também de Avaré, do bar do Zequinha na Vila Mimosa, dos shows dos Caça Níqueis, dos churrascos com cerveja e saldões da Harley (pois é coxada, nem sempre foi essa MERDA de café da manhã), do Iron Horse, da dificuldade pra se ter uma boa HD.

Lembrei da mão na graxa, elos de corrente, do ano que passei nos EUA em cima de uma moto, comendo comida gordurosa, limpando carburador, trampando naquilo em que me empregassem, mas feliz pois tava em cima de uma HD.

Veio na cabeça o trechinho da Route 66 que peguei e que logo sai dela, pois achei chata pra caralho. Cada moto minha veio com carinho na minha mente. E PORRA, tudo isso por causa de uma moto que vibra, cheira a gasolina e fica fazendo o barulho “VAI QUEBRÁ , JÁ QUEBROU!! VAI QUEBRÁ , JÁ QUEBROU!! VAI QUEBRÁ , JÁ QUEBROU!! VAI QUEBRÁ , JÁ QUEBROU!!”

Aí eu senti o quanto a Harley perdeu nestes anos, o quanto da inocência se foi, daquela que ainda prevalecia nos anos 80 após a recuperação da fábrica pela família Davidson. Não sei por minha idade ou por uma realidade, senti que finalmente, a coisa virou de vez um negócio....

Falo isso como proprietário de um Softail 2007, injetada e hi tec. Andei de novo numa velhinha e senti que parte do tesão se foi, ou como diria BB KING, “The Thrill is Gone!!!” Mas não foi só o tesão pela questão tecnológica, pois mesmo assim ainda amo o fato de poder contar muito mais hoje em dia com a minha Harley nova do que jamais pude antes com as minhas velhinhas.

Mas algo que nunca vai retornar se perdeu no caminho. As novas gerações estão sem esforço e HD “tá na moda”. Tem muita gente que nunca sentiu aquele frio na barriga de andar numa HD pela primeira vez como a galera daqui sentiu, simplesmente por estar fácil demais adquirir uma.

Sei que devo estar velho e nostálgico, mas to com a sensação que, salvo pelo crescimento da Kustom Kulture, o velho espírito estradeiro tá dando lugar a uma coisa mercadológica, da moda e recheada de noobs e poser estúpidos.

E tudo isso eu senti depois de dar um rolê numa boa e velhinha HD...

The thrill is gone, the thrill is gone away...."

Texto: Jason Vieira


20 comentários:

Luiz Paulo disse...

Pura verdade. Também fui a rua Ceará, não perdi um encontro em Avaré, fui muito na oficina do NORA em São Paulo, fui a Penedo, festa dos Carcarás em Pirinópolis e fiquei noites "limando" peças porque não eram fáceis de achar. Jason voce escreveu tudo o que eu gostaria de ter escrito. Ainda tenho minha Shovel mas os tempos são outros. The thrill is gone, the thrill is gone away. . . Luiz Paulo.

BIG CHOPPER DE LA FRONTERA disse...

A boa noticia é que, modas, passam... Estou só esperando...

Carlos Ábila disse...

O grande "que"das harleys antigas é que elas são que nem aquela garota gostosa que vc paquera, vc nunca sabe se ela vai te dar e quando, e quando vc consegue!!! QUE PUTA TESÃO!!é justamente o que se perdeu nas novas que se parecem mais com a sua esposa, sempre pronta par te dar!!!!!

Unknown disse...

Com todo respeito.

LOGICO que virou "mercadológica" assim como qualquer impresa que queria crescer.

Não sei voce, mais eu prefiro perder meu tempo vendo 100000 coxas comendo pao doce e se achando mal do que andar 50km e ter que parar pq a moto quebrou, perder 4 dias para deixar ela mais ou menos e andar mais 50km e aparecer outro problema.

Não me leve a mal, eu respeito toda a historia da HD. Agora, passado é passado...infelizmente o tempo passa sem se importar com nossos sentimentos e vontades.

E eu volto a dizer o que ja diss em outros comentários.

COXAS sao um "mal" necessarios.

Anônimo disse...

É... No tempo das carniças as coisas eram mais difíceis. Tvz por isso mais vividas...?
[]s, L.F. Lobo.

Amaral disse...

A moda passa... Quem É fica....

kahuna disse...

"Não me leve a mal, eu respeito toda a historia da HD. Agora, passado é passado...infelizmente o tempo passa sem se importar com nossos sentimentos e vontades."

1000x

Porra, a última moto que parou muito comigo foi incendiada.... hehehe!!!!

kahuna disse...

Em tempo.....
Koan, do Zen-Budismo, é o que leva ao insight... e no caso, o Koan foi a FXR.... :)

Unknown disse...

"É... No tempo das carniças as coisas eram mais difíceis. Tvz por isso mais vividas...?"

Exatamente.

Logico que da muito mais tesao vc comer aquela mulher que vc batalhou para conseguir do que aquela puta imunda que deu em cima de vc.

fato é que agora os tempos sao outros, a realidade é outra e que nao adianta nada ficar falando toda hora: coxa isso coxa aquilo...porra nao gosta dos caras? nao fala com eles porra, nao chama para rodar com vc. agora ficar reclamando de nao fazer nada é que na minh opiniao nao pode.

parece até velha em fila do banco.


Nao estou falando de ninguem em particular.

Anônimo disse...

Engraçado. Por isso que só ando sozinho na minha Dyna 2009 injetada, tipo lobo solitário. Vou aonde quero, não fico ouvindo esses papos nostálgicos de "no meu tempo...", blá, blá, blá, coxinha etc. Olha gente, sem querer ofender ninguém que pense o contrário, mas o negócio é que H-D só é caro aqui no Brasil, pois nos E.U.A. qualquer cara normal pode ter uma e nova. Se não, uma usada antiga que é restaurada dentro da cultura custom, que é o que mais tem por lá (vide os blogs dos caras da kustom kulture, que são muito bons e com motos muito antigas e rodando à vontade). Isso sim é que é espírito nascido livre, o resto é preconceito bobo, de quem adora se sentir exclusivo por que tem uma H-D. Abraços

Hadys disse...

Só ando de HD antiga pela mais pura opção,só rodando com uma dessas velhinhas pra entender.

"Andar de HD antiga é uma arte, quebrar faz parte"
Hadys

Luiz Paulo disse...

É...

Luiz Paulo disse...

Também não quero ofender ninguém mas LOBO SOLITÁRIO "é" sim de antigamente. Estar anônimo também é um antigo recurso para quem NÃO é do ramo. Não se trata de dinheiro, se voce pode ter uma Harley ou vinte, se nos USA é barato ou caro. BIKER SPIRIT YOU NEVER CAN BUY IT. Caras normais compram motos Japonesas. Só os anormais compram uma Harley e nunca vão entender isso. Luiz Paulo Papaulo.

Anônimo disse...

se eu conheco o Jason, ele nao anda com coxa, nao fala com coxa e nao se relaciona com coxa. preconteito? diria opcao, pois la fora a coisa funciona bem assim, cada um na sua

os bons tempos se foram e o cara teve um "insite" de nostalgia....


concordo com ele sim

Toecutter disse...

Levei 20 anos pra montar numa HD.

Antes disso, andei em coisa muito pior.

A Harley tá longe de ser a melhor moto que eu já tive, mas tem sim um peso de nostalgia e de realização, tanto que fiz questão de visitar pessoas e lugares com quem compartilhava este sonho de longa data, e isso foi muito bom.

Hoje não sou melhor nem pior porque ando em uma moto X. Continuo sendo a mesma pessoa.

Mas que tou feliz pra caralho, isso não dá pra negar. :D

Toecutter disse...

Luiz, acho que a gente se conhece.

Um dos meus momentos mais gratificantes foi justamente chegar com a moto no Ninho das Águias e ouvir do Nêgo: "Sabia que era você assim que virou a esquina, mesmo sem nunca ter visto essa tua moto" e do Nilo "Meu pai está sorrindo lá no céu vendo você chegar aqui de HD".

Luiz Paulo disse...

TOECUTTER, eu adorava e ainda adoro o "SEO NORA". Mas que FIGURA!! O que mais gostava e pude ir com ele por duas vezes era "fazer um socorro". Aquele cafézinho na esquina... que saudade!... Rua Camaragibe... Nilinho... Minha primeira Harley comprei do Wilsinho que morava na Travessa da Camaragibe. Uma FLH 72 Vermelha. "SEO" Nora foi pra mim um verdadeiro professor. Ali no guincho fiz muitos amigos e o universo Harley se abriu para mim. "SEO" Amaral do Hotel Gávea e muitos outros. Voce realmente pode ser um deles. Baita abração!! Luiz Paulo Papaulo. PS: OBRIGADO ao LOBO por este blog. Vejo só coisas que gosto e ainda ganho amigos!

Unknown disse...

eu não me canso de dizer que o passado é a lição do presente. eu SEMPRE ouço o que meu pai e meu avô tem a me contar, pois há sempre uma lição importante nisso.

Infelizmente, somos uma nação sem passado, que acha que as histórias dos mais velhos (ou mais experientes) são blablabla de chato, mas aqui quis dividir um pouco do que senti de tão somente ter sentado numa moto mais antiga.

Ando de moto desde 1986, mas sempre que posso, ouço o Joaquim, o Dadinho, o Mizinho, entre outros das antigas, pois além de acrescentarem muito, são pessoas muito legais

Thrill is gone

Fernando Alves - womvet disse...

Desde que me entendo por gente quis ter uma Harley. Na véspera de completar 43 anos (15 dias antes) peguei a minha primeira, uma Sportster 1200 Custom 1998. É antiga? Sim! É carburada? Sim! Já teve problemas? Sim! Mas estou muito feliz com ela! Já tive outras melhores, mas nenhuma Harley... Ela me dá uma puta alegria e é um sonho realizado. Sabe aquilo de parar no sinal e quem está do lado fica olhando? Pois é, para muitos pode ser babaquice, mas para mim é orgulho e me faz muito bem. Sei que é a primeira, também sei que não é a última, mas também sei que as próximas serão todas Harley-Davidson, pois é o que quis, quero e irei querer...

LET'S ROCK disse...

Desde meus 14, 15 anos sonhava em ter uma Harley e agora, beirando os 40 consegui comprar a primeira, uma Sporster 883 2008, depois de muita batalha e juntando a grana mês a mês.E é com muita satisfação que lembro da sensação de montar na bike pela primeira vez, de liga-la e sentir o poder do motor. Indiscritivel o momento!!! E não me arrependo, apesar de você ir a uma concessionária HD e ver os preços absurdos para qualquer peça, enquanto que nos USA você encontra as mesmas coisas pela metade do preço. Não comprei a bike para me exibir, como muitos amigos meus falaram depois que comprei. Comprei para minha satisfação, para realizar o sonho de uma vida inteira. Um sonho o qual corri atrás e consegui, sozinho!!! É o meu orgulho!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...