terça-feira, 3 de julho de 2012

Tombos

Esse texto não é de minha autoria mas sempre achei muito bom, é de um grande amigo que na época foi um dos caras que me incentivou a entrar nesse mundinho da Harley, então em sua homenagem vou postar o texto dele aqui.

Big Chopper de la Frontera



---------------------------------
TOMBOS

Há anos atrás, para o encontro de Tiradentes, fomos eu (de Electra) e o meu sócio (de Goldwing).

Saímos na quinta-feira (por volta das 18:00h) porque ele tinha que dar uma "passadinha" em Belo Horizonte para o casamento da irmã dele (que seria naquela noite!!!).

Eu tinha acabado de colocar os penuzinhos banda branca na Electra e tinha aquela tola recomendação de ter que rodar uns 100km antes, para tirar aquela "goma" que envolve o pneu.

Bom, quase no fim da subida da Serra de Petrópolis, tinha umas costelinhas no asfalto, bem no meio de uma curva que terminava num precipício...

Resultado: A Electra largou a traseira e foi com tudo para o chão... Nessa hora passou um flash na minha cabeça de como seria meu acidente: a moto iria ao chão, e como estava em velocidade elevada e com o mata-cachorro, ela e eu sairíamos deslizando em direção ao penhasco, e adeus Bob e Electra...

Porra, não sei como, mas a minha reação quando a moto estava caindo foi meter o pé no chão para tentar levantar a moto (talvez tivesse sido por causa do tal flash - mas no fundo acho que era para não arranhar os cromados)... Não me perguntem como aconteceu, mas, depois de uma bela ralada no mata-cachorro, eu levantei a moto... O meu sócio, que vinha atrás, falou tinha que ter filmado, não pela queda, mas pela quantidade de faísca que saiu da ralação do mata-cachorro.

Uma montanha de quilômetros e horas após, ele estava na minha frente, e era uma pequena reta, sem iluminação, chuviscando... O coquinho dele saiu voando e eu reduzi para pegar.

Só que o sabichão aqui - ao invés de parar para pegar o capacete - ficou de lado na moto, e esticou o braço para pegar o coquinho com a moto ainda em movimento... O que aconteceu? Tudo escuro. Eu tava enxergando o coquinho apenas com os faróis da Electra. Fixei o olhar no coquinho. Ele foi se aproximando. Mais. E mais. Quando estava quase pegando, ele passou pelo faixo de luz dos faróis - cláro !!! - e fez-se a escuridão... Resultado: Bob e Electra ao chão.

Porra, tava tudo escuro... A Electra caiu em cima do coquinho e zuniu ele para longe... E lá foi o Bob - exatamente no meio da pista - levantar a Electra cheia de bagagem, que estava atravessada na perpendicular...

Nessa hora passou outro flash na minha cabeça: - Porra, e se vier um caminhão agora...

E o que aconteceu? Não só um, mas vieram dois caminhões, um em cada sentido...

Putaquipariu! Comecei a rir... Perdi a força e, quando a moto estava quase levantada, caiu de novo...

Fui para o meio da pista. Levantei os braços e - hora virava para uma lado, hora para o outro - gritando e sacudindo os braços para que os caminhões parassem...

Ufa! Eles pararam... Pararam o caralho!!! Acho que pensaram que era assalto e aceleraram mais ainda...

A sorte foi que a Goldwing voltou e iluminou o Electra caida e atravessada na pista. Os caminhões não pararam, mas desviaram para o acostamento... Foi por pouco...

Refeito o susto, chegamos no tal do casamento às três e tantas da madruga e já não tinha mais nada... Acabamos com toda a bebida que tinha sobrado...

Dia seguinte, fomos também depois das seis da tarde de BH para Tiradentes. Entramos não sei por onde (mas descobri que era o caminho mais longo) e paramos num tal de "Café com Prosa"... E depois de vários cafés aditivados, partimos em direção à Tiradentes... Só que agora trocamos de moto e eu fui de Goldwing...

Porra, o meu sócio saiu acelerando na minha frente, e - de novo aquela estradinha escura, de pista simples - enrosquei o cabo da Goldwing, que deu um coice de arrancada (1500cc 6 cilindros).

Só que, de alguma forma, com a minha arrancada, deu algum mal contato e apagaram-se os faróis... Putaquiupariu de novo!!! Não via nada. Um brêu só... Liguei o alerta para tentar enxergar alguma coisa...

Vi a pista... Não vi mais... vi de novo... não vi mais... entrei com a Goldwing matagal adentro...

Porra, o cara tinha se mandado... Eu tinha que tirar uma moto que pesa mais de 500kg de dentro de uma capineira...

Não dava para colocar ela em pé por causa da capineira. Tive que vir "arrastando" ela de lado até o acostamento. Poucas vezes fiz tanta força na vida...

Não preciso nem dizer que não tinha nem força para colocar a moto em pé... Mas insisti...

O "macete" para levantar uma moto pesada, é erguê-la segurando ela de costas... Tá. Comecei a levantar, mas ela não ficava em pé por nada... Achei que eu não tinha mais forças, porque ela não passava de uns 60 graus do chão...

Sou teimoso e insisti. Força. Força. Fooooorçaaa!!!

Nisso, passava um carro, e, assitindo àquela "batalha" - em que eu estava perdendo feio - se sensibilizou e parou para me ajudar. A Goldwing quase em pé. As veias saltando do meu pescoço. O cara chegou e escorou a moto também...

Fizemos força PRA CARALHO !!! E nada...

Putaquiupariu. O pedal de descanso tava aberto - para que a moto não passasse direto para o outro lado - só que quando ela estava quase em pé, o tal pedal batia no degrau do pavimento para o acostamento (que era de terra e bem mais baixo)... PORRA como eu xinguei...

Aí chega meu sócio. Depois que a moto estava em pé. Ligada. Farol aceso. E me pergunta porque que eu tava "demorando".

- Vai tomar no CÚ... Peguei a Electra de volta...

Tardão da noite, adentramos por São João Del Rei.

Falei que, pelas minhas contas, ainda dava para rodar uns 20km, mas como eu tava morto, preferia abastecer em Tiradentes, que estava à 14km dali.

Pegamos a reta em direção a Tiradentes. 10km. 15km. 20km. Nada de Tiradentes. Reduzi, e quase parando, perguntei para um matuto se a direção para Tiradentes era aquela e ele me falou que NÃO!!! - Era para o outro lado...

Comecei a rir de novo... Pouca gasolina. Frio. Fome. Cansaço. Fui fazer "a meia volta do Fernando" e foi certinho...

Certinho no chão, de novo... Fiquei rindo ali mesmo, deitado, por mais uns 2 minutos...

Depois disso, acho que o "cara lá de cima" ficou com pena, e liberou que o restinho de gasolina desse para chegar até Tiradentes.

E foi isso. 4 tombos.

-------------------------------

2 comentários:

ROTA 282 MOTO CLUBE disse...

Aee Big, tu é de sorte!!!

Nando Favero 282

Lixo Morlocks disse...

A grande maioria teria voltado pra trás no primeiro rola!!! Merito pra teimosia do mano!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...