sexta-feira, 31 de agosto de 2012

VIVA A BANDA LARGA!


Mais de 1 ano de Vivo 3G.

E chega a Banda Larga na floresta.

Harleyluia!

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Fuck The System



Keep hell beautiful, get tattooed...



H. Stern & H. Davidson




Esse texto é meio estranho, eu sei, mistura uma joalheria, um auxiliar de aeroporto, uma Fat Boy e duas horas de ociosidade antes de embarcar em um avião. Mas lá vai:

------
Engraçado, estava aqui no aeroporto e cheguei a conclusão que as salas de espera para o embarque são ótimos lugares para a prática da meditação, já que é proibido fazer uma série de coisas que fazemos habitualmente, é proíbido fumar, é proibido cortar as unhas, é proíbido ter comportamento estranho e é proíbido sair, qualquer coisa aqui é suspeita, então é melhor ficar quieto e o mais “low profile” possível.

Cá estava eu olhando tudo e todos, já que era a única coisa possível para se fazer, quando um turista estrangeiro que devia ter um dicionários de frases feitas em português, pergunta em seu melhor “portunholingleslovaco” a um desses seguranças “Zeca Tatu”, se tinha banheiro por perto. Ao qual o Zeca fardado responde, acenando com a mão em uma dada direção:
- Temtédois!

Isso mesmo, “temtédois” foi o que ele respondeu, e não uma, respondeu duas vezes, a segunda mais forte quando indagado com a mesma pergunta do estrageiro:
- Thein banhérrro?

- Temtédois! – E acenou mais forte com a mão.
Na segunda vez que o Zeca falou, eu, que entendo mais ou menos português, entendi que “temtédois” era “Tem até dois!” o que seria uma ótima e gentil resposta para UM BRASILEIRO!

Na rodoviária talvez fosse uma resposta aceitável, mas no aeroporto internacional Zeca? Não dá pra perceber que você tem que facilitar pro sujeito? Talvez até acompanhá-lo à porta do local? Ou dar uma resposta clara como: “Sim” ou “Não”? Temtédois porra?
Mas é claro que esse sujeito que foi contratado pra ser segurança não vai entender isso nunca, na cabeça dele ele estava sendo agradável e gentil...

É claro que no final o turista acabou entendendo só a direção que a mão apontava e foi pra lá.
Enfim, continuei minhas andanças pelos não mais de cem metros da sala de embarque quando parei pra olhar uma loja da H. Stern, pra quem não sabe, uma loja bem cara de jóias. Bem cara mesmo. E me lembrei de uma namorada que sempre ficava me enchendo o saco com isso. Olhei a vitrine e tinha um conjunto que era um colar, uma pulseira e uns brincos, que juntos custavam mais que minha Harley, até aí tudo bem, eram jóias, mas o negócio é que era feio pra caralho!!! Descrevendo de uma maneira simples, o colar era feito com pedras preciosas em todas as cores do arco-íris, imagine de um lado do pescoço começava com vermelho e daí ía pro laranja, amarelo, verde e terminava do outro lado do pescoço com azul, roxo e violeta, e assim eram também o brinco e a pulseira. Essas peças devem ter até dado trabalho pra fazer, pois tiveram que encontrar pedras preciosas de cada cor e em degradê para fazer todas as cores, mas pensa numa coisa toda colorida demais, parecia feito por um chinês com resina e várias cores de tinta anil pra ir colorindo.

Só que supondo que eu fosse rico e comprasse essa porra pra minha namorada, uma pobre estudande universitária (todo estudante é pobre por natureza), e ela saísse com esse conjunto para um funk, sertanejo ou no lugar mais chique que ela e suas amigas pudessem ir, qualquer um diria que ela comprou isso num camelô, pois era o que parecia, um colar feito com pedrinhas de resina colorida de gosto duvidoso.
Sinceramente pensei, assim como certas coisas na vida, esse colar só poderia ser comprado e usado por alguém que fosse extremamente rico, aí sim, neguinho não ia achar que foi comprado no camelô, não ia achar brega pra cacete esse negocio todo colorido e talvez iriam apreciar o trabalho que foi criar essa peça. Talvez alguém que usasse jóias dessa loja diariamente, e que fosse conhecida pelas amigas por usar essas jóias, nesse caso iam saber que foi comprada na H. Stern e não no camelô, mas qualquer outra pessoa que a usasse seria suspeita. Tudo é muito relativo, não valeria a pena pra uma estudante ter uma jóia de cinquenta mil sendo que ia parecer que ela estava usando uma bijuteria, ia funcionar ao contrário, uma jóia carissíma ia ficar feia. Não faria sentido.

Enfim, o fato é, depois de alguns anos vivendo nesse mundo de Harleys e nesse “way of life” que nós vivemos, todos os pensamentos e todas as associações feitas em minha cabeça transformam-se em algo a ver com Harleys e, não fugindo do corriqueiro, associei esse colar e o uso dele com um cara que comprou uma Harley o outro dia, uma Fat Boy, zero, linda, e tascou um mata-cachorro de Shadow com seus respectivos faróis de milha assim como um monte de tirinhas de couro pretas penduradas da ponta do guidão, fez um banco solo na loja que faz capota de couro pra assento de Uno e Gol, colou umas caveirinhas de plastico cromado e assim estava feita a customização dessa Fat Boy que era bonita quando estava na loja.
Porra!!! Não pode cara!!! É que é difícil de explicar, mas se a menina da faculdade não pode usar um colar de cinquenta mil reais H. Stern porque não é adequado e porque simplesmente as pessoas vão achar que aquele negócio todo colorido é brega demais e foi comprado em um camelô, e é isso exatamente o que vai parecer se ela usar, o cara também não pode colocar essas merdas em uma moto de cinquenta paus! Não é pelo dinheiro, é pela ignorância. Aquela ignôrancia que levou o Zeca a dizer “temtédois” em vez de ser mais sensato e simplificar, é a mesma ignôrancia de um cara que acha que customizar a moto é colocar umas tirinhas (feias pra caralho) de couro e meia dúzia de parafuso de caveirinha cromada com um banco de espuma fofa e mal feito!!!

O Zeca não pode ter uma Harley! Não pode, que se foda! Não é pelo dinheiro, tem muita gente sem dinheiro que inclusive deveria ter uma Harley, porque ama isso, porque entende nosso mundo!!! E eu torço porque essas pessoas consigam um dia comprar sua tão sonhada HD como eu fiz em algum momento. O Zeca, na verdade, não pode ter uma Harley não porque seja pobre, mas por sua ignorancia, porque ele ia fazer merda com uma moto dessas, seria mais uma aberracao nas ruas!!! De novo, não é preconceito social, mesmo porque eu nao sou rico, é preconceito “ignorancial”. Um cara com uma viraguinho, que nao teve mais recurso pra customizar e só deu pra comprar uns parafusinhos com caveirinha, vá lá, dá pra entender, mas um cara gastar cinquenta pau numa moto e colocar mata-cachorro de shadow porque é mais barato??? Porra, me poupe! Gastou cinquenta e nao sobrou pra customizar? Então comprasse uma com dois anos de uso e iam sobrar uns vinte pra customizar! Ou se não entende da coisa, simplesmente não mexa!!! É melhor! Te garanto!
Só falta esse sujeito se gabar também por andar com a moto suja como tem gente por aí! Essa é outra que eu não entendo, e olha que tem até clubes que seus membros andam com suas Harleys todas sujas, puta coisa de mané, pra provar que é estradeiro? Então eu não ia nem conseguir ver a cor da minha hoje em dia, pra provar que é estradeiro pega a estrada mano... Andar com a moto suja nao é coisa de estradeiro, é coisa de vagabundo... É claro que estar na estrada e ter a moto limpa é dificil, totalmente aceitável estar com a moto suja na estrada, também não precisa parar em todo posto e passar no lavador, aí é coisa de coxinha, mas cultuar sujeira pra mim é ignorancia das mais Zecas! Tudo bem ter dificuldade pra lavar a moto. Tudo bem não ligar SE a moto estiver suja. Lave sua moto a cada dois meses, mas lave, passe um pano, são dez minutos!!! Não, não é bacana ter a moto suja de propósito, você não parece mais malvadão por causa disso!

Harley nao precisa ser bonita, tem que ser bonita pro dono, tem vários estilos e tem estilo que pessoalmente acho horroroso, mas aí é gosto, tudo bem, ao que eu me refiro é a vagabundice de não se empenhar e não ter senso na hora de fazer uma moto ficar com a sua cara!!! De gastar muita grana na hora de comprar a moto só pra provar pros outros que tem dinheiro e na hora de customizar ser “malandro” e mão de vaca. Isso é ignorancia! Isso é “Zequisse”! Isso é porque você nunca abriu uma revista de customização de Harleys e viu o quão bacanas elas ficam com um pouco de bom gosto, ou porque voce nunca olhou o L.O.M. com a devida atenção e viu milhares de fotos de Harleys lindas que colocamos aqui, isso é porque você nunca olhou as motos numa boa loja de customização em qualquer cidade grande, isso é porque você é ignorante e enquanto você se acha o máximo, eu (e todos que amamos isto) olho pra sua aberração e lamento que tenha gente que consiga fazer isso com as Harleys, e ainda se gabe por isso!
É ignorancia porque se voce participasse um pouquinho de nosso mundo, entenderia que se não tem dinheiro pra customizar sua motoca com peças compradas no exterior e transformar ela numa puta chopper, dá também pra fazer o contrário sem dinheiro algum, da pra TIRAR algumas coisas dela! E ela vai ficar bonita, “simple is beautiful”!!! Ou então mantenha ela original e limpinha, vai ser bonita também!!! Mas pelamordedeus, nao façam cagadas, ou melhor, comprem motos japonesas!!! Vocês não merecem ter uma Harley.

E então meu voo foi chamado e embarquei e parei de pensar nessas bobagens todas...

Abs,


Big Chopper de la Frontera

fronterahd@gmail.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...