quarta-feira, 11 de março de 2015

Referências...

Em Janeiro tivemos aqui no Rio o Concurso de Motos Customizadas do Salão Bike Show. Maior trabalheira, 4 dias bacanas, em que juntamos alguns dos nomes mais respeitados do ramo. Um baita evento que pretendo continuar fazendo por algum tempo ainda.

Então... depois do evento, todo mundo cansado, tava conversando  com um amigo a respeito das referências dele, sobre as fontes onde ele "bebia" pra chegar áquelas conclusões construtivas de suas motos. E sobre como as referências podem (e na minha opinião, devem) ser "homenageadas" ou ao menos levemente pinceladas numa obra de arte.


Referências são no fundo a cultura e o conhecimento que você acumulou sobre um certo assunto, e que, de uma maneira ou de outra, influenciaram o resultado final de sua obra. 

Nada contra ver um cara criativo que chuta o balde e cria uma obra completamente despirocada, mudando conceitos e quebrando barreiras. Pelo contrário, arte deve falar à alma, e causar impacto.

Mas a real é que, em 99% das vezes, o resultado é uma grande bosta, e a falta de referências não dá a quem "aprecia" a obra sequer espaço para perdoar a cagada construída pelo customizador.

Acredito que uma obra que realmente expressa alguma coisa, e tem real significado como arte, deve vir acompanhada de um estudo, uma busca de conhecimento, de referências.

E nessa conversa comentei do Chevy. Um cara que conheci em 2009, um customizador/bike builder de verdade. Que roda numa Chopper Flat Head cheia de referências FODA. A moto do cara, mesmo com todas as dificuldades que ele deve ter tido de buscar informações na época da fabricação, é uma AULA de arte.

O tanque "coffin" com pintura de flames em degradée, o banco "king&queen", os dois faróis, a frente springer feita em casa, com o "agravante" de ser em "ossos"... e por aí vai.



Nem todo mundo sabe apreciar. Mas veja só como é realmente uma questão de referências...

Em 2010 (se não me engano) a DICE Magazine pegou uma 883R ZERO e customizou. Olha as similaridades do resultado, quando comparada com a moto do Chevy.



Fica então um toque pros novos customizadores que se aventuram por este vastíssimo universo. Pesquise. Ninguém inventa a roda, ou descobre o fogo, nesses dias. Busca suas fontes pra beber, e se afogue nelas. Sua arte ficará muito mais verdadeira, e será muito mais apreciada por quem, como você, respeita quem já percorreu essa estrada antes.

"If you don't know your past you won't know your future."

Customize-se.



Um comentário:

Hadys disse...

Por mais absurdo que pareça, Cazuza foi o cara que melhor definiu a customização de HDS:
"eu vejo o futuro repetir o passado, um museu cheio de grandes novidades ... "

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...