sexta-feira, 16 de outubro de 2015

A INDIAN CHEGOU!!! 2a. Parte da História da Indian.





Até ser assumida pela Polaris Industries, empresa que começou em 1954 com tratores e se tornou mundialmente famosa fabricando snowmobiles, a Indian havia passado por mais de dez diferentes mãos, incluindo a britânica AMC - sigla para Associated Motor Cycles - espécie de incorporadora de marcas falidas como AJS, Sunbeam e Norton. A AMC comprou os direitos de uso da marca Indian em 1960 e, dois anos mais tarde, abriria falência.




As motos Indian eram reconhecidas pela robustez mecânica, pelo capricho nos detalhes e pela disposição nas pistas Mas a maior parte das 11 empresas, ou grupos, que representaram a marca tinha mais interesse no nome do que propriamente nas motos.

Foi assim com a AMC, que vendia as lendárias AJS com o nome Indian estampado no tanque. Deu-se o mesmo entre 1955 e 1960 com a Brockhouse Engineering, outro grupo britânico, que passou a exportar para os Estados Unidos a Royal Enfield de 750 cc sob a marca Indian.

Quando o ex-piloto e empresário americano Floyd Clymer assumiu a marca, logo depois da falência da AMC, a expectativa era de que a Indian voltaria a se firmar como a principal concorrente da Harley-Davidson -  que expandia suas operações fora dos EUA ao se associar à italiana Aeronautica-Macchi para formar a Aermacchi Harley-Davidson. Clymer, pioneiro na publicação de livros sobre carros e motos, havia competido com motos da marca e era dono de uma revenda Indian na Califórnia. Tinha dinheiro, influência e forte ligação com a história da fábrica - daí a esperança de que os grandes modelos do passado, como a Chief e a Sport Scout, voltassem a ser produzidos.

Mas Clymer era, sobretudo, um homem de negócios. E achou mais lucrativo encomendar à italiana Italjet um lote de mini-motos com motor de 50cc para serem revendidas nos EUA com a cara do Índio. Junto da Italjet ele desenvolveria modelos de 500cc com componentes italianos. Graças à boa aceitação para uso militar e para lazer, as mini-motos continuaram sendo fabricadas, primeiro na Italia e depois na China, até o fim dos anos 70.

Não era o que se esperava de uma grife que se notabilizou pela inovação e pela grandeza das ações.

A Indian foi a primeira fabricante de motos a desenvolver a transmissão de duas marchas, a suspensão dianteira ajustável, as luzes elétricas e também a pioneira em oferecer kits de personalização (customização), estratégia depois seguida com êxito pelas concorrentes, principalmente a Harley.

Investia, do mesmo modo, na produção de motos de pista, mais leves e potentes. As versões "track" podiam ser adaptadas às muitas necessidades do piloto: muitas eram usadas para provas de "hill-climb" (subida de montanha), ou para quebra de recordes de velocidade, e outras ganhavam títulos em enduro. Também eram as motos preferidas nos espetáculos circenses conhecidos como "wall of death", percussora do Globo da Morte, em que o piloto-acrobata desafiava a gravidade circulando em alta velocidade nas paredes de madeira de uma arena.




A vocação para as pistas estava no DNA dos fundadores da empresa, Hendee e Hedstrom. O primeiro era, além de esportista (foi o primeiro campeão de ciclismo dos EUA). empreendedor. Teria partido dele a iniciativa de mudar o nome original da empresa de Hendee Manufacturing Company para The Indian Motorcycle Manufacturing Company, ou apenas Indian. Hendee vislumbrava grandes possibilidades para seus produtos e achava que um nome simples seria mais bem aceito em outros mercados.

Hedstrom era o homem da criação: era quem desenvolvia a parte mecânica e desenhava as motos. A sociedade, que parecia próspera, no entanto, não durou muito. E, 1913, ano em que a Indian estabelecia seu primeiro recorde comercial, com 32 mil motos vendidas, e lançava o revolucionário sistema (para a época) de suspensão traseira por braço oscilante, Hedstrom saiu da empresa. Três anos depois, em 1916, Hendee se desentendeu com o conselho de administração e também se afastou.


Na próxima postagem abordo os anos da primeira e segunda guerra, os erros e acertos, e o nascimento da Scout e da Chief.


Um comentário:

Anônimo disse...

Somente uma pequena correção, a Hendee Manufacturing Company passou a se chamar The Indian MOTOCYCLE Manufacturing Company, sem o R.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...